Migrações: É a nossa «humanidade» que está à prova

Data:   14-01-2018



Migrações: É a nossa «humanidade» que está à prova

A congregação das irmãs missionárias escalabrinianas desafia as comunidades católicas de todo o mundo a acenderem este domingo uma vela e a rezarem por todos os migrantes e refugiados.

Em entrevista publicada pelo Vatican News, o serviço informativo da Santa Sé, a superiora-geral das religiosas missionárias destaca “um pequeno gesto” que pretende ser sinal de “proximidade” com todos quantos hoje “partem” do seu país e deixam as suas casas, tudo aquilo que conhecem, “em busca de esperança”.

“Eles são os protagonistas de uma viagem com a qual colocam em risco aquilo que têm de mais precioso, isto é, a sua vida”, aponta a irmã Neusa Mariano.

A religiosa brasileira recorda os milhões de seres humanos que atualmente estão deslocados dos seus países, devido a flagelos como a guerra, a pobreza e a exclusão social e perseguição étnica ou religiosa, a começar pelos que procuram vir para a Europa e acabam por “morrer no Mar Mediterrâneo”.

“As fronteiras do mundo são inúmeras: a começar pela América do Norte, com a fronteira entre México e Estados Unidos, também a África e na Ásia, que o próprio Papa Francisco visitou recentemente. O mundo deve consciencializar-se de que a migração é um facto humano e de que lidar com ela é um sinónimo de humanidade”, destaca aquela religiosa.

Este domingo, dia 14 de janeiro, celebra-se o Dia Mundial do Migrante e Refugiado, um acontecimento que o Papa Francisco abordou numa mensagem em que apontou quatro verbos fundamentais que devem reger todo e qualquer programa de apoio aos refugiados e migrantes: acolher, proteger, promover e integrar.

Para marcar aquele dia, o Papa argentino vai celebrar uma eucaristia solene na Basilica Vaticana, a partir das 9h55 (menos três em Brasília), que poderá ser acompanhada em streeming no portal do Vatican News com comentários em português.

Fonte: Catolicos.