Sobre a canonização dos pastorinhos de Fátima

Data:   21-04-2017



Jacinta e Francisco serão canonizados em 13 de maio em Fátima

Jacinta e Francisco Marto, os dois pastorzinhos que tiveram visões de Nossa Senhora, serão canonizados pelo Papa Francisco em Fátima, em 13 de maio. 

A confirmação deu-se na manhã desta quinta-feira (20/04) durante o Consistório Ordinário Público, presidido pelo Santo Padre no Vaticano. Serão as primeiras crianças não-mártires a serem proclamadas Santas. Na mesma data, há 17 anos, os dois irmãos eram beatificados por João Paulo II.

Jacinta e Francisco Marto, os dois irmãos de apenas nove e dez anos, junto com a prima Lúcia dos Santos, tiveram visões de Nossa Senhora. A primeira vez em 13 de maio de 1917, seguindo-se em todos os dias 13 de cada mês, até chegar ao mês de outubro. Nos "encontros celestiais" Maria deixou mensagens sobre acontecimentos futuros e recomendações aos pequenos, entre estas, a de rezar o Rosário diariamente.

A fama de santidade dos dois pastorzinhos logo após as suas mortes já havia se difundido por todo o mundo. Francisco morreu em 4 de abril de 1919, de febre espanhola. Jacinta, dez meses mais tarde, em 20 de fevereiro de 1920.

Jacinta, após muitos sofrimentos oferecidos pela conversão dos pecadores, morreu sozinha em um hospital de Lisboa, sendo sepultada em Vila Nova de Ourém, o município ao qual pertence o Santuário de Fátima.

De Francisco - chamado de "o consolador" pelo seu desejo de consolar com a oração Nossa Senhora - perdeu-se o local preciso de seu sepultamento. Somente anos mais tarde seus restos mortais foram reconhecidos pelo pai, por um detalhe muito particular, o terço que ele tinha nas mãos.

Em setembro de 1935, o corpo incorrupto de Jacinta foi traslado de Vila Nova de Ourém a Fátima. O corpo foi fotografado e o Bispo de Leiria-Fátima, José Alvez Correia da Silva, enviou uma cópia à Lúcia, que havia se tornado uma Irmã dorotéia. Na ocasião, o prelado pediu a Lúcia que escrevesse tudo o que sabia sobre a vida de Jacinta. Nascia assim a Primeira memória, que ficou pronta no Natal de 1935.

Sucessivamente o bispo pediu que Lúcia escrevesse também suas recordações a respeito de Francisco e os fatos ocorridos em Fátima.

Não fossem estes relatos deixados sobre a breve vida dos dois irmãos, talvez ninguém poderia ter pensado em abrir uma Causa de canonização, mesmo porque naquele tempo ainda não havia sido decretado o reconhecimento de "exercício das virtudes em grau heróico" também para os pequenos.

O pedido para investigar a santidade dos dois foi iniciado pela Diocese de Leiria somente em 1952 e concluída em 1989, com o decreto sobre a prática das virtudes, em consideração à idade das crianças.

O obstáculo, era ainda uma questão de fundo debatida no decorrer do século XX, em relação à possibilidade ou não de levar em consideração duas crianças como candidatos à canonização. Questão que foi resolvida em 1981 por meio de um documento emitido com este propósito pela Congregação da Causa dos Santos.

O milagre atribuído à intercessão das duas crianças, e que levou à beatificação, foi reconhecido em 1999. Já o que abriu o caminho para a canonização, foi reconhecido em 23 de março passado, e diz respeito a uma criança brasileira, que na época tinha seis anos.

Esta criança estava na casa do avô, brincando com a irmãzinha, quando caiu por acidente de uma janela de cerca sete metros de altura, sofrendo um grave traumatismo crânio-encefálico, com a perda de material cerebral.

Levada ao hospital em coma, foi operada. Caso sobrevivesse, viveria em estado vegetativo ou, no máximo, com graves deficiências cognitivas.

Milagrosamente, após três dias, a criança recebeu alta, não sendo constatado nenhum dano neurológico ou cognitivo.

Em 2 de fevereiro de 2007, uma equipe médica deu parecer positivo unânime sobre o caso, como "cura inexplicável do ponto de vista científico".

No momento do incidente, o pai da criança havia invocado Nossa Senhora de Fátima e os dois pequenos beatos. Na mesma noite, os familiares e uma comunidade de irmãs de clausura haviam rezado com insistência, pedindo a intercessão dos pastorzinhos de Fátima. (JE)

 Fonte: Rádio Vaticano

----------------------------------------------------------------.

Vaticano adianta detalhes sobre milagre que abriu caminho à Canonização

O Vaticano ofereceu hoje pela primeira vez detalhes sobre o caso considerado como milagre que abriu caminho à canonização dos beatos Francisco e Jacinta Marto, que vão ser declarados santos a 13 de maio, em Fátima.

“O [milagre] que abriu o caminho para a canonização, foi reconhecido em 23 de março passado, e diz respeito a uma criança brasileira, que na época tinha seis anos”, adianta a Rádio Vaticano.

A criança estava em casa do avô, brincando com uma irmã, quando caiu por acidente de uma janela, de cerca sete metros de altura, “sofrendo um grave traumatismo crânio-encefálico, com a perda de material encefálica”.

A emissora pontifícia relata que a criança foi levada ao hospital, em coma, e operada.

Segundo os médicos, caso sobrevivesse, o menor “viveria em estado vegetativo ou, no máximo, com graves deficiências cognitivas”.

“Milagrosamente, após três dias, a criança recebeu alta, não sendo constatado nenhum dano neurológico ou cognitivo”, acrescenta a informação.

A 2 de fevereiro de 2007, uma equipa médica consultada pelo Vaticano parecer positivo unânime sobre o caso, como "cura inexplicável do ponto de vista científico".

Segundo a Rádio Vaticano, no momento do incidente, o pai da criança tinha invocado Nossa Senhora de Fátima e os dois pequenos beatos; os familiares e uma comunidade de religiosas de clausura haviam rezado com insistência, pedindo a intercessão dos Pastorinhos de Fátima.

A postuladora da causa de canonização dos Beatos Francisco e Jacinta Marto, irmã Ângela Coelho, tinha referido à Agência ECCLESIA que o milagre necessário para a canonização, após a beatificação de 13 de maio de 2000, tinha “todas as condições” para ser validado.

“É bonito por isto mesmo: duas crianças cuidam de uma criança”, referiu a irmã Ângela Coelho.

Os trâmites processuais para o reconhecimento de um milagre, por parte do Papa, acontecem segundo normas estabelecidas em 1983.

A Congregação para as Causas dos Santos (Santa Sé) promove uma consulta médica sobre a alegada cura, para saber se a mesma é inexplicável à luz da ciência atual, feita por peritos; o caso é depois submetido à avaliação de consultores teológicos e de uma sessão de cardeais e bispos.

A aprovação final depende do Papa, que detém a competência exclusiva de reconhecer uma cura como verdadeiro milagre.

Fonte: Catolicos.

-----------------------------------------------.

Papa vai rezar junto dos túmulos de Francisco e Jacinta antes da canonização

O Papa Francisco vai rezar junto aos túmulos de Francisco e Jacinta Marto no dia 13 de Maio, antes da canonização dos beatos, indica o administrador do Santuário de Fátima, padre Cristiano Saraiva.

Numa sessão de esclarecimento para a população e comerciantes de Fátima, onde o Papa vai estar em peregrinação a 12 e 13 de Maio, Cristiano Saraiva detalhou os momentos de Francisco no santuário, considerando que o momento será de festa e apelando aos presentes para nela participarem.

O responsável anunciou, ainda, que vão ser colocados oito telões no recinto do templo, com capacidade para acolher centenas de milhares de pessoas, especificando "com a extensão" que será feita "até às traseiras e laterais da Basílica da Santíssima Trindade".

Segundo o sacerdote, na peregrinação internacional aniversária de Maio "toda a zona por cima do túnel" é área de recinto do santuário.

"Os peregrinos não veem [as celebrações religiosas] diretamente do altar, mas veem através da nossa regia, que vai passar nos monitores e o som vai ser estendido", acrescentou.

Canonização já tem hora marcada

A cerimônia de canonização dos beatos Francisco e Jacinta Marto, presidida pelo Papa Francisco no Santuário de Fátima, realiza-se às 10h00 de dia 13 de Maio e em Língua Portuguesa.

Antes da cerimônia, o Papa Francisco desloca-se à basílica do Rosário, onde estão os túmulos dos videntes de Fátima, Francisco, Jacinta e Lúcia.

Segundo a página oficial na Internet da peregrinação do papa a Fátima, www.papa2017.fatima.pt, a cerimónia de canonização acontece "logo após o cântico de entrada e a saudação inicial, proferida pelo Santo Padre".

"Os relicários em forma de candeias contendo as relíquias dos dois novos santos da Igreja Católica, uma madeixa de cabelo de Jacinta e um fragmento de osso da costela de Francisco, integram o cortejo de entrada da missa, sendo colocados no altar, junto da imagem de Nossa Senhora de Fátima", refere o 'site'.

O transporte das relíquias dos mais jovens santos não-mártires é feito pela postuladora da Causa da Canonização de Francisco e Jacinta, irmã Ângela Coelho, e pelo assessor da postulação e atual diretor do Serviço de Peregrinos do Santuário de Fátima, Pedro Valinho.

Segue-se a cerimónia de canonização dos dois videntes, a primeira realizada em Portugal, que vai decorrer em Língua Portuguesa.

De acordo com a mesma fonte, após a saudação inicial do Papa, um cântico assinala o início da canonização e, depois, o bispo da Diocese de Leiria-Fátima, António Marto, pede ao papa que inscreva Francisco e Jacinta no Livro dos Santos e faz uma breve apresentação da biografia dos dois novos santos, seguindo-se o convite de Francisco aos fiéis para cantar a ladainha dos santos.

No final, pronuncia, em Português, a fórmula da canonização e os presentes "aclamam a proclamação com um cântico de júbilo, durante o qual um diácono vai incensar as duas relíquias".

Acompanhado pela postuladora da Causa da Canonização de Francisco e Jacinta, o bispo de Leiria "agradece a proclamação e pede ao papa que redija a Carta Apostólica relativa à canonização" dos dois beatos.

A cerimónia termina com o coro a entoar o "Glória", prosseguindo a missa, no final da qual "as duas relíquias deixam o altar com o andor da imagem de Nossa Senhora de Fátima e seguem em cortejo até à Capelinha das Aparições, onde vão ficar expostas até ao final do dia 13 de Maio".

Fonte: Catolicos.

--------------------------------------------------------.

Sobrinha dos Pastorinhos de Fátima: Não somos dignos do dom que Deus nos deu

Há 100 anos, no dia 13 de maio de 1917, a Virgem apareceu pela primeira vez aos Pastorinhos de Fátima: Lúcia dos Santos, Jacinta e Francisco Marto.

O Grupo ACI conversou com a sobrinha de Jacinta e Francisco e ela assegurou que Deus escolheu os seus tios porque Ele quis, mas “não merecíamos nada”.

“A família, meus avós e meus pais, todos nós sempre o aceitamos como um dom de Deus. Deus escolheu os meus tios, porque Ele quis, tanto que o meu avô dizia que a Virgem queria vir a Fátima e havia escolhido os seus filhos, mas nós não merecíamos nada. Portanto, sempre vivemos com muita simplicidade porque Deus escolheu e escolhe quem Ele quer. Nós não merecemos nada”.

Em uma recente visita a esta pequena cidade de Portugal, onde ocorreram as aparições – a última foi no dia 13 de outubro do mesmo ano –, o Grupo ACI conversou com a sobrinha de Jacinta e Francisco, que serão canonizados pelo Papa Francisco no próximo dia 13 de maio durante a sua visita à cidade.

Jacinta Pereira Marto tem 74 anos. “Sinto uma grande alegria, naturalmente, mas esta festa não é somente da família, é de Portugal e do mundo inteiro, porque Nossa Senhora veio ao mundo. E eles são uma mensagem para o mundo”, afirmou a sobrinha dos pastorinhos.

“Às vezes eu me pergunto como duas crianças de sete e nove anos conseguiram captar e responder ao mesmo tempo a mensagem de Deus”, expressa sobre os seus tios, testemunhas das aparições.

Jacinta acredita que “a mensagem de Fátima nos recorda que a Virgem veio para que voltemos a Deus, para que não esqueçamos que Deus nos ama, mas que devemos louvá-Lo e devemos ser gratos a Ele”.

Jacinta assegura que “a Virgem não pediu muitas coisas que não possamos fazer. Ela pediu para que se reze o Rosário. E Nossa Senhora havia pedido rezá-lo – segundo dizia a própria Lúcia – porque era uma oração fácil, para todo o mundo, pois pode ser rezada na igreja, caminhando, no carro, em qualquer lugar existe a possibilidade de rezar o rosário”.

“Eu busco rezar o terço todos os dias, mas digo que quem não consegue rezá-lo que reze pelo menos uma Ave Maria para louvar a Virgem Maria e um Pai Nosso para agradecer a Deus por ser nosso amigo. Deus nos ama muito e às vezes nos envia a sua Mãe para nos ajudar um pouco, para que sejamos um pouco melhores. Deus quer que procuremos ser um pouco melhores a cada dia, porque sempre seremos pecadores, não somos perfeitos, mas procuremos ser um pouquinho melhores a cada dia”.

Jacinta é a filha de João, irmão dos pastorinhos Jacinta e Francisco, e nasceu na mesma casa que eles.

“Meu pai era dois anos mais velho do que Francisco e também teve o privilégio de estar na aparição de Valinhos (Valinhos está localizado perto do Santuário e foi o quarto lugar de aparição da Virgem, em 19 de agosto, 1917), depois que eles estiveram na aparição de Vila Nova de Ourém”, recordou Jacinta.

Entretanto, afirmou: “meu pai estava lá, mas não viu nada. Estiveram apenas Francisco, Jacinta e Lúcia e o meu pai, mas ele disse que por mais que abrisse os seus olhos e olhasse, não conseguiu ver nada”.

Jacinta recorda que seus avós (pais de Jacinta e Francisco) “não entendiam as coisas”.

“Então pensaram que seus filhos eram um pouco diferente dos outros, mas não sabiam exatamente de que maneira”. Apesar disso, “meu avô sempre acreditou”.

“Jacinta foi a primeira a dizer que Nossa Senhora havia aparecido e, quando lhe perguntavam, respondia: ‘Meus filhos não são mentirosos, eu os eduquei, portanto, se dizem que a viram, eu acredito que a viram’”.

Embora seu avô nunca tenha vista a Virgem, sua neta Jacinta recorda que ele “esteve em algumas aparições e mesmo dizendo que não via nada, percebia que algo estava acontecendo”.

“Ele dizia que escutava um som, como se fosse uma abelha em um cântaro, em um recipiente. Mas o milagre do sol ele viu. Então, se antes já acreditava, continuou acreditando”.

Jacinta se refere ao que aconteceu depois da última aparição da Virgem Maria aos pastorinhos: foi possível ver o sol se mexendo como se estivesse “dançando”, segundo relataram aqueles que testemunharam.

Atualmente, a sobrinha dos pastorinhos tem certeza que “Jacinta e o meu tio me protegem”. “Eu não sou ninguém, sou pecadora como todo mundo, mas acho que me protegem, sinto que eles me protegem e Nossa Senhora também”. - Fonte: ACIDigital